Algumas pessoas tendem a considerar qualquer nova tecnologia como inerentemente boa; outros, mais cautelosos, preferem reconhecê-la como inerentemente má. Porém, não é a tecnologia em si que é moral ou imoral, mas o uso dessa tecnologia.

Dito isto, aqui estão algumas preocupações muito reais que tenho com as mídias sociais.

Em primeiro lugar, cuidado com o tempo gasto nas mídias sociais. Quando um cristão passa mais tempo no Facebook do que na reunião de oração, estudo bíblico, leitura da Palavra de Deus ou participando de cultos da igreja, isso mostra que Deus não é o número um em sua vida. Algumas pessoas conseguem passar a noite toda no computador, mas não conseguem passar o mesmo tempo em uma vigília com o verdadeiro amigo, Jesus Cristo! Passam mais tempo no Facebook do que com a família. Além disso, invertem as prioridades, até mesmo no trabalho. Gastam um tempo precioso nas mídias sociais ao invés de cumprir o horário estabelecido com o empregador.

Aos Efésios, o apóstolo escreveu: “… Remindo o tempo, porque os dias são maus” (Ef 5.16). Isso significa que a maior parte do nosso tempo deve ser usado para cumprir os propósitos de Deus, aproveitando cada oportunidade para adoração proveitosa e para o serviço (cf. Êx 9.5; 1Pe 1.17).
A palavra “remir” implica que há um custo. Ou seja, às vezes devemos dizer não a novela, aos jogos na TV ou computador, a fim de dizer sim para ler e estudar a Palavra de Deus. A atitude mais néscia que um cristão pode cometer é perder tempo e desperdiçar sua vida em coisas triviais.

Em segundo lugar, cuidado com as amizades nas mídias sociais. É muito fácil ter amigos no Facebook. Com frequência recebo “solicitações de amizade” de pessoas que nem conheço. Basta dar um “click” e aceitar o pedido. Mas esse tipo de amizade não chega nem perto do que encontramos na Bíblia. Não oramos juntos, não adoramos juntos, não temos comunhão e não estudamos a Palavra juntos. Você realmente acha que tem 200 amigos? Além disso, é importante lembrar aos casados que os melhores amigos sãos os próprios cônjuges. Você está amando seu cônjuge enquanto utiliza o Facebook ou está secretamente olhando para uma antiga namorada ou namorado? Cuidado com o adultério!

Em terceiro lugar, cuidado com o que você publica nas mídias sociais. É triste observar a linguagem de alguns “cristãos” nas redes sociais. Cuidado com as palavras torpes. Paulo também declarou aos Efésios: “Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe…” (Ef 4.29). O termo “torpe” refere-se ao que está corrompido ou sujo, e era usado para frutas, verduras e outros alimentos estragados. Expressa o que é de má qualidade, impróprio para utilização.
Uma linguagem chula nunca deve proceder de um cristão. Piadas de mau gosto, palavrões, histórias sujas, vulgaridade, palavras de duplo sentido, e toda outra forma de fala corrupta não deve sair dos nossos lábios. Assim, evite comentários desagradáveis e pense bem antes de expor qualquer informação na rede. A boca ou a escrita suja procedem de um coração sujo.

E, finalmente, tenha cuidado também com as imagens que você publica nas mídias sociais. No que você está pensando quando coloca fotos sensuais? Fotos provocantes chamam a atenção de amigos, mas não amigos piedosos! O autor de Hebreus nos alerta para tomar cuidado, “… A fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado” (Hb 3.12-13). Tendo em vista que somos tão propensos ao pecado, precisamos vigiar, para não sermos enganados. Devemos levar a sério a santidade dos olhos. O adultério começa pelo olhar.

A vitória sobre a tentação é uma vigilância contínua com autodisciplina e responsabilidade. A primeira obrigação de um cristão é agradar ao Senhor e ser uma testemunha fiel, até mesmo nas mídias sociais.