A forma do batismo não está claramente definida na Bíblia. Existem três formas de administração do batismo praticadas hoje: aspersão, imersão e efusão.

Algumas igrejas evangélicas como Batistas e Pentecostais adotam a imersão enquanto as Igrejas Presbiterianas e Metodistas adotam a aspersão, pois esta forma de batismo é mais prática, pode ser aplicada em qualquer lugar e circunstâncias, mesmo que o batizando seja um idoso ou paralítico. O batismo por aspersão não discrimina ninguém.
Nesse método, a água é aspergida sobre a cabeça do batizando. No Antigo Testamento os levitas eram purificados com água aspergida (Nm 8.5-7; 19.8-13). Hebreus refere-se a essa limpeza ritual como “batismos” (Hb 9.10, traduzida como “purificação” na NTLH).
No terceiro século, Cipriano declarou que não era a quantidade de água nem o método que purificava do pecado, mas sim, onde a fé do destinatário era genuína, a aspersão era tão eficaz como qualquer outro modo (Enns, P. P. The Moody handbook of theology, Chicago, Ill.: Moody Press, 1997, p. 364).

A Igreja Presbiteriana adota o batismo por aspersão pelas seguintes razões:

O batismo com água é apenas um símbolo – Não é a quantidade de água que define a sua validade. O batismo serve como sinal e selo do Pacto da Graça (Cl 2.11,12), e a união do batizando com o corpo de Cristo, a Igreja (Tt 3.5; Gl 3.27; 1Co 12.13).
O significado da palavra batismo – A imersão não é a única forma válida do batismo. A palavra baptizo pode significar imersão, lavar, purificar, etc. Nos Evangelhos a palavra grega baptizo é empregada para designar a lavagem das mãos, copos, jarros, metais e camas (Mt 15.2; Mc 7.1-5 e Lc 11.37-39; cf. 2Rs 3.11) (Clement F. Rogers’ work, Baptism and Christian Archaeology (Oxford: The Clarendon Press, 1903).
O batismo com água e com o Espírito O batismo com água simboliza a regeneração efetuada pelo Espírito. Porém, o batismo pelo Espírito Santo nos une a Cristo e nos faz um com Ele em sua morte e ressurreição. “Derramarei o meu Espírito sobre toda a carne” (Jl 2.28, 29; At. 2.17). No Pentecoste, o Espírito Santo desceu sob a forma de línguas de fogo, isto é, em forma de derramamento ou aspersão (At 2.1-4; 32, 33; 10.44-48; 11.15, 16 e Ez 36.26).
O batismo de Saulo O batismo de Saulo de Tarso na casa de Ananias (At 19.18) e o batismo do carcereiro de Filipos, bem como de toda a sua família às altas horas da noite (At 16.33), dificilmente poderiam ter sido feito por imersão. A situação exigia uma simples e fácil administração do sacramento.
Pergunte ao Pastor Jocarli – jocarlijr@hotmail.com