A maioria das pessoas que afirmam ter tido visões do céu tendem a enfatizar o trivial e o bizarro. Mas a visão de João focaliza o trono de glória de Deus e Sua inefável majestade.

Este não é simplesmente um móvel, mas um símbolo da soberania e da autoridade de Deus (cf. Sl 11.4; Sl 103.19, 66.1), localizado no templo do céu (cf. 7.15, 11.19, 14.15, 17; 15.6-8; 16.17). De acordo com Apocalipse 21.22 o templo celeste não é um edifício real: “o Senhor Deus Todo-Poderoso e o Cordeiro” é o templo. Ou seja, o termo “templo” simboliza a presença de Deus. João diz que o trono estava armado no céu, isto é, permanente e inabalável. Esta é sem dúvida alguma, uma realização confortante à luz do horror e do trauma dos eventos do fim dos tempos prestes a serem revelados (capítulos 3-19). De forma semelhante, o profeta Isaías foi consolado durante um período traumático da história de Israel pela sua visão da glória de Deus, “No ano da morte do rei Uzias, eu vi o Senhor assentado sobre um alto e sublime trono, e as abas de suas vestes enchiam o templo” (Isaías 6).

O Trono é o verdadeiro centro do universo. Esse trono não está na terra, mas no céu. Quem está no trono, tem o controle de todas as coisas.