Se o livro de Jonas terminasse no capítulo 3, a história teria retratado Jonas como o maior dos profetas. Afinal, pregando uma mensagem de “sete palavras”, Jonas foi usado por Deus e levou milhares de pessoas ao arrependimento.

Mas o Senhor não se impressiona com a aparência, Ele olha para o coração (1Sm 16.7). É por isso que o capítulo 4 foi incluído no livro, pois revela “os pensamentos e intenções” do coração de Jonas e expõe seus pecados.[1]

Se no capítulo 1, Jonas é como o filho pródigo, insistindo em seu próprio caminho (Lc 15.11-32), no capítulo 4, ele é como o irmão mais velho do pródigo. Uma pessoa egoísta, mal-humorada, irritada e descontente com o que estava acontecendo.[2] Depois de ter sido instrumento de Deus para produzir o maior avivamento da história, Jonas fica irado.



[1] Wiersbe, W. W. (1996). Be amazed. “Be” Commentary Series (88). Wheaton, IL: Victor Books.

[2] Wiersbe, W. W. (1996). Be amazed. “Be” Commentary Series (88–89). Wheaton, IL: Victor Books.